“Todos os dados mostram que o Brasil está rebatendo realmente a crise”, diz Guedes

Para Paulo Guedes, PIB do Brasil vai cair menos que 4% em 2020

Governo revê projeção do PIB para este ano e fala em baixa de 4%; antes, no início da pandemia, a previsão era de queda entre 9% e 10%

Por Redação

A economia brasileira começa a se recuperar. Quem fez esta afirmação foi o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante evento promovido, nesta quarta-feira (9), pelo banco suíço de investimento,CreditSuisse.De acordo com o ministro, a previsão do Produto Interno Bruto (PIB), tanto dos analistas econômicos e até mesmo do governo, era de queda de 9% e 10%, mas os dados da economia têm mostrado que, nos últimos meses, principalmente, após maio e junho, a recuperação econômica foi mais rápida do que esperado.

Agora, revisando a projeção do PIB, o governo acredita que a queda em 2020 será de 4%. “Eu esperava uma recuperação como se fosse um V partido, mas está vindo mais rápido até do que eu antecipava. As primeiras estimativas eram que o Brasil caísse 10% e agora está todo mundo revisando suas projeções. Está entre 4% e 5%, a maioria está pela metade”, disse Guedes.

Conforme explicou o ministro, o ritmo de crescimento do Brasil neste momento em que os números de pessoas contaminadas e mortas por covid-19 começam a ter uma leva baixa, surpreendeu até mesmo o corpo técnico do Ministério da Economia. Com as novas projeções, o Brasil só fica abaixo da China em relação a sua capacidade de recuperação de economia.

“E eu ainda acho que vamos surpreender, que vai ser menor do que isso, porque estamos voltando forte. “Todos os dados mostram que o Brasil está rebatendo realmente [a crise]”, destaca o ministro.

O ministro ainda afirmou que o ritmo da recuperação econômica brasileira só perde para o da China

A queda menos brusca é importante para economia do país, já que estamos em um período de recessão econômica em quase todos os países em razão da pandemia de covid-19. No caso do Brasil, explicou Guedes, a retomada de forma ágil foi possível graças às medidas adotadas pelo governo para superar o momento e diminuir seu impacto sobre a vida da população, uma vez que milhares de pessoas ficaram impossibilitadas de trabalhar por causa do isolamento social.

Entre essas medidas que podem permitir um retorno mais rápido da economia, Guedes destacou os programas emergenciais, como o auxílio emergencial, o Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), e as linhas de crédito que focam nos setores mais atingidos pela covid-19.

Futuro

Agora para o próximo período do governo federal deve concentra sua força para aprovar mais reformas que visem reformular os gastos e a receita do poder público. Conforme Guedes anunciou, as ações que devem acontecer num futuro próximo são as reformas econômicas, as privatizações e o pacto federativo.

Entre essas propostas, o pacto federativo é que deve, segundo Guedes, mais receber atenção do governo nos próximos meses. O governo tenta empenhar na aprovação do pacto porque isso vai permitir que o Estado abra espaço no orçamento público para novos gastos discricionários e contribuir com a sustentabilidade fiscal do Brasil.

Caso o pacto federativo seja aprovado ainda este ano, como prevê o governo, o mecanismo vai permitir que o teto de gastos (limite de gastos públicos) possa ser quebrado, possibilitando assim, que a classe política gerencie o orçamento, destinando mais recursos para as áreas entendidas como prioritárias, como saúde e educação.

Fonte Blog do Ulhoa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui