Ministro da Justiça anuncia reforço para Operação Guardiões do Bioma

Combate ao desmatamento ilegal será ampliado, diz ministro da Justiça

A operação buscará responsabilizar e punir quem destrói o meio ambiente e acabar com as organizações criminosas; Anderson Torres também afirma que não houve ocorrências de fraudes nas provas do Enem

Por Cláudio Ulhoa

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, anunciou, nesta terça-feira (23), que o efetivo de agentes que compõem a Operação Guardiões do Bioma será reforçado. A operação, responsável por reprimir os crimes ambientais nos biomas da Amazônia, do Cerrado e do Pantanal por meio da articulação entre órgãos locais e nacionais, tem recebido atenção especial do governo federal, segundo o ministro, que falou ao programa Voz do Brasil.

Para Torres, o reforço comprova que a intenção do governo é de apertar o cerco contra o desmatamento ilegal e a degradação do ambiente todo através de parceria com a Polícia Federal para e punir possíveis culpados e também combater as organizações criminosas que atuam neste contexto.

Anderson Torres anunciou reforço no efetivo da Operação Guardiões do Bioma

“Isso é muito importante, não só o trabalho preventivo, mas também o trabalho repressivo com investigação e com responsabilização dos autores desses crimes”, afirma o ministro. “Pudemos realmente fazer um combate preventivo que diminuiu muito o número de queimadas e o reflexo dessas queimadas em nossos biomas.”

Mas essa não é a única operação em andamento para combater os crimes ambientais. Segundo Torres, a Operação Bioma, por exemplo, que começou em agosto deste ano, já controlou 17 mil focos de incêndio na Amazônia, no Cerrado e no Pantanal.

Enem

Outro assunto comentado pelo ministro nesta terça-feira foi sobre a aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Segundo ele, não houve ocorrências de fraudes nas provas e isso seria consequência do trabalho de fiscalização feito pelo Centro Integrado de Comando e Controle Nacional, com o apoio do Ministério a Educação, da Polícia Federal, e das polícias estaduais.

“Ali [no Centro Integrado] a gente tem contato com as pessoas e pode acessar imediatamente qualquer problema que envolva qualquer agência. Fica fácil de atender isso, de disparar qualquer meio necessário em qualquer lugar do Brasil. Isso facilita muito o trabalho e possibilita coordenar essas grandes operações num país continental como o nosso”, diz o ministro.

Em relação à edição de 2021 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cuja primeira etapa foi aplicada no último domingo (21), Torres disse que a não ocorrência de fraudes foi resultado do trabalho da Secretaria de Operações Integradas, que coordena ao nível nacional a escolta das provas para impedir vazamentos. Todo o processo é acompanhado pelos Ministérios da Justiça e da Educação, pela Polícia Federal e pelas polícias estaduais.

Por meio do Centro Integrado de Comando e Controle Nacional, que integra os trabalhos dos órgãos de segurança (locais e nacionais), as forças de segurança coordenam as operações em nível nacional. “Ali, a gente tem contato com as pessoas e pode acessar imediatamente qualquer problema que envolva qualquer agência. Fica fácil de atender isso, de disparar qualquer meio necessário em qualquer lugar do Brasil. Isso facilita muito o trabalho e possibilita coordenar essas grandes operações num país continental como o nosso”, disse.

Combate à violência

Um das prioridades do Ministério da Justiça e Segurança Pública, segundo Anderson Torres, é o combate à violência contra as mulheres e idosos. Segundo o ministro, desde o dia 15 de outubro, quando se iniciou a Operação Vetus 2, foram registrados mais de 17 mil atendimentos a idosos em 35 dias, o que equivale a 480 casos diários de violência contra idosos. A operação resgatou ainda 167 vítimas e prendeu mais de 400 pessoas por abandono de incapaz, maus tratos, tortura e apropriação indébita.

Já em relação ao combate à violência contra a mulher, a Operação Maria da Penha, segundo Anderson Torres, prendeu mais de 14 mil pessoas acusadas de violência doméstica e atendeu mais de 120 mil mulheres vítimas do descumprimento de medidas protetivas. Ele explicou ainda que agora a pasta está discutindo com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos a elaboração de uma estratégia nacional de combate à violência doméstica.

*Cláudio Ulhoa – Jornalista membro da Associação Brasileira de Portais de Notícias – ABBP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui