Manifestações contra e a favor de Bolsonaro deve acontecer hoje na Esplanada dos Ministérios

O GDF informa que as pistas na região serão interditadas para veículos; atos acontecerão em lugares diferentes para evitar conflito

Por Cláudio Ulhoa

Este domingo (21) deve mais uma vez acontecer manifestações contra e a favor do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Isto porque estão programados eventos para hoje na Esplanada dos Ministérios, sendo um a favor do presidente, o Juntos Pelo Brasil, e outro contra, o Movimento Popular Todos Pela Democracia. O Governo do Distrito Federal já decretou o fechamento da Esplanada para o transito de veículos, mas pedestres estão permitidos.

As manifestações contra o governo de Jair Bolsonaro começaram acontecer após o início da pandemia de covid-19. Por discordar da postura da Organização Mundial de Saúde (OMS) e também do próprio Ministério da Saúde (MS) – à época comandado pelo ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) – o presidente adotou uma postura de que era preciso praticar o isolamento vertical, ou seja, ficaria em casa cumprindo quarentena apenas as pessoas que são consideradas público de risco da doença, como idosos e pessoas com doenças cardíacas.

A Secretaria de Segurança Pública do DF afirma que, por questões de segurança, não pode antecipar o efetivo de policiais que será mobilizado para acompanhar os atos

Por outro lado, a OMS e o MS apregoavam na ocasião que era preciso praticar o isolamento social horizontal, onde todos, sem distinção tivessem que ficar em casa. Essa medida colocou milhares de trabalhadores em casa e fechou centenas de pontos de comércio e de fábricas. A economia foi ao chão e para não prever um catástrofe maior, o governo federal foi preciso entrar em cena para socorrer os bancos – a quem de R$ 1,2 trilhão para liquidez ao sistema financeiro – e R$ 600 ao trabalhador informal – além do Benefício Emergencial (Bem) a trabalhadores com carteira assinada.

Deste contexto socioeconômico e também em razão do elevado número de mortes por covid-19 (o último boletim apontava mais de um milhão de casos da doença e se aproxima das 50 mil mortes) não só as ruas estão voltando as tomas pela população quanto os panelaços, famosos no governo de Dilma Rousseff, também voltaram a acontecer contra e a favor do presidente Bolsonaro.

As manifestações de hoje, tanto contra ou a favor, estão marcadas para acontecer no período da manha, a partir das 9 horas. Observa-las, no entanto, servirá de pano de fundo para uma análise sobre o governo de Bolsonaro, que segundo pesquisas de opinião ainda tem 30% de apoio fiel do eleitorado brasileiro.

Os atos aconteceram em locais separados. A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF) afirmou que, por questões de segurança, não pode antecipar o efetivo de policiais que será mobilizado para acompanhar os atos que ocorrerem, mas garantiu que será feita a segurança do local.

Desfalque

Mas na política as coisas são necessariamente dinâmicas. Se a prisão da militante bolsonarista Sara Giromini, que é conhecida por Sara Winter, foi considerado um duro golpe contra o governo, a prisão de Fabrício Queiroz, na quinta-feira (21), foi mais emblemática, já que a repercussão do caso é mais combustível para o incêndio político que pode se alastrar pelo país.

Em outra manifestação no final de semana passado, um grupo de pessoas que pediam o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) chegou a disparar contra a sede do STF na Praça dos Três Poderes.

Para este domingo os organizadores dos protestos disseram que não haverá atos de violência e nem de vandalismo.

Fonte Blog do Ulhoa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui