Mais de R$ 2,3 milhões investidos em escolas de Planaltina

No Centro de Ensino Médio (CEM) 1 as janelas foram trocadas por novas estruturas com o objetivo de arejar a escola | Foto: Paulo H Carvalho / Agência Brasília

Três unidades da região (CEM 1, EC 6 e EC N.R. Córrego do Atoleiro) recebem melhorias estruturais essenciais para alunos, professores e servidores

Em Planaltina, três escolas passam por trabalhos de reformas e adequações tendo em vista um possível retorno às aulas presenciais. Ao todo, o Governo do Distrito Federal investiu mais de R$ 2,3 milhões nas unidades, verbas oriundas de emendas parlamentares e de recursos do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf) e do contrato de manutenção firmados com a Secretaria de Educação.

No Centro de Ensino Médio (CEM) 1, que é a maior escola da região, o foco dos serviços foi em arejar ao máximo as 25 salas de aula. Para isso, as antigas janelas vitrô basculantes de ferro deram lugar a estruturas feitas de vidro temperado, aumentando a passagem de ar. Entre dois dos blocos de salas, novos espaços de convivência com cobertura de telhados foram construídos.

Todas as paredes da área interna da escola também receberam uma nova pintura, e os banheiros, que antes possuíam quatro boxes cada, foram completamente reformados e ampliados, cada um contendo 10 cabines.

Na Escola Classe (EC) 6 o piso foi trocado e a unidade de ensino recebeu, também, pintura nova | Foto: Paulo H Carvalho / Agência Brasília

Em uma área externa, uma nova cobertura para a área de convivência em frente à biblioteca está sendo construída com uma estrutura de ferro e telhas de concreto.

A diretora do CEM 1, Nedma Guimarães, explica como as reformas vão impactar no ambiente da escola, que possui cerca de 2,7 mil estudantes matriculados: “Essas mudanças vão significar um ambiente mais saudável para os alunos, que reclamavam muito do calor nas salas de aula, principalmente no período da seca”.

Quem chega na Escola Classe (EC) 6, já percebe as melhorias logo na entrada: uma nova cobertura, os muros pintados e uma cerca cujo acabamento em madeira lembram grandes lápis.

No EC Núcleo Rural Córrego do Atoleiro, o telhado da unidade, que era feito de ferro, foi substituído por telhas termoacústicas, que retém o calor e o som da chuva | Foto: Paulo H Carvalho / Agência Brasília

Dentro, todo o piso foi trocado, além de também as 13 salas de aula e os banheiros, que agora contam com uma cabine para alunos com necessidades especiais. A cozinha, que prepara a alimentação dos mais de 500 estudantes, também foi inteiramente reformada e equipada com materiais novos.

Uma reforma há muito necessária na unidade, como conta o diretor da EC 6, Jader Campos. “Até o ano passado, a escola não apresentava nenhuma condição estrutural de atendimento à comunidade”, ressalta. “Conversamos com a Regional de Ensino e outros parceiros, e conseguimos os recursos para fazermos as reformas necessárias. Escola a gente trata com respeito”.

Os alunos da EC Núcleo Rural Córrego do Atoleiro terão praticamente uma nova escola quando retornarem às aulas presenciais. O projeto da reforma incluiu uma reformulação espacial de diversas áreas, dando mais espaço físico e conforto para as quatro salas de aula, cozinha, sala dos professores e espaço administrativo.

Além disso, todo o telhado da unidade, que era feito de ferro, foi substituído por telhas termoacústicas, que retém o calor e o som da chuva.

Um novo espaço que será muito bem aproveitado pelos cerca de 150 alunos e professores, como explica a diretora da escola, Magda Bernardes: “Além do Córrego do Atoleiro, também atendemos crianças de um trecho do Arapoanga e do Condomínio Marisol, que são famílias muito carentes. Entregar esse espaço aqui é muito importante para a região”.

Informações Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui