GDF firma convênio com Novacap para reabrir o Teatro Nacional

Recursos investidos para a reabertura do Teatro Nacional são de R$ 33 milhões

A parceria vai contratar empresas para restaurar e fornecer recursos técnicos para espaço que está fechado desde 2014; hospital de campanha na Papuda deve começar a funcionar nós próximos dias

Por Redação

O Teatro Nacional Claudio Santoro no Distrito Federal poderá, em breve, voltar a funcionar. Parado desde 2014, o teatro é um considerado um dos espaços artísticos mais importantes do país. Agora, o governo local que a reabertura do ambiente que é uma das demandas mais urgentes, não só da classe artística, como também da população. “Temos a obrigação moral de devolver o Teatro Nacional para a população não apenas de Brasília, mas do Brasil”, destaca o secretário de Cultura e Economia Criativa do DF, Bartolomeu Rodrigues.

Para voltar com as atividades no Teatro Nacional o GDF acaba de firmar parceria através de um convênio com a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap). Assim, todo processo licitatório – que será conduzido pela Novacap – visa fornecer recursos para restaurar e contratar serviços técnicos para a complementação dos projetos a serem executados dentro do teatro.

“Sabemos que a assinatura desse convênio é fundamental para o DF, pois trata-se do primeiro passo para a reforma do Teatro Nacional, um marco para a cultura de Brasília e de todo o Brasil, um compromisso do governador Ibaneis Rocha”, diz o diretor-presidente da Novacap.

Entre os reparos e projetos a serem desenvolvidos está a restauração da segunda sala mais importante do teatro, a Sala Martins Penna, Penna, incluindo acessibilidade do local, segurança, acústica, iluminação cênica e mudanças nas poltronas, palco e piso.

A parte externa do teatro também será revitalizada. Os painéis de Athos Bulcão nas áreas internas, externas e o paisagismo de Burle Marx serão recuperados. Depois será a vez de restaurar a Sala Villa-Lobos.

Para realizar o empreendimento a Secretaria de Cultura e Economia Criativa recorreu ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD) do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o obteve R$ 33 milhões, verba que será destinada à reforma da Sala Martins Pena.

Papuda

O hospital de campanha para pacientes com covid-19 que estão presos no sistema prisional da Papuda deve começar a funcionar em breve. Ontem (3), o GDF abriu processo para contratação emergencial de empresa que prestará serviço de gestão integrada de 20 leitos de enfermaria. A empresa contratada ficará responsável por fornecer todo suporte técnico e também o de atendimento a pacientes.

Processo para contratação emergencial de empresa que administrará o hospital na Papuda foi aberto nesta segunda-feira (3)

“A situação dentro do complexo está controlada. Até o momento, nenhum cidadão privado de liberdade precisou de tratamentos mais intensivos, então é questão de gestão. Diante do cenário atual, não há necessidade de contratar além dos 20 leitos de enfermaria”, explica o subsecretário de Infraestrutura da Secretaria de Saúde do DF, Sócrates Alves.

 Inicialmente o hospital foi proposto para atender pacientes com covid-19, mas, de acordo com Alves, a unidade, após o período de pandemia, servirá à população carcerária, aos servidores e aos trabalhadores do meio prisional.

A obra foi orçada em R$ 5,9 milhões e tem mil metros quadrados de área construída. Atualmente, a população carcerária é de 15 mil apenados, e o número de infectados por covid-19 é de 1.708, até o último levantamento.

Fonte News Black

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui