GDF faz repasse aos beneficiários do programa Cartão Prato Cheio nesta quinta-feira (4)

GDF libera crédito do Cartão Prato Cheio

Ao todo, cerca de 32 mil famílias deverão ser beneficiadas com valores de R$ 250; quem se cadastrou para entrar no programa, mês passado, já podem consultar se teve o nome selecionado, veja como

Por Cláudio Ulhoa

A Secretaria de Desenvolvimento Social do Distrito Federal (Sedes-DF) começa a pagar hoje, 4, o crédito aos beneficiários do programa Cartão Prato Cheio. O valor a ser repassado, de R$ 250, deve atender a 32 mil famílias que atualmente estão inscritas no programa. De acordo com a Sedes-DF, o governo está destinando o montante de R$ 8.196.800,00 para ser usado como financiamento do benefício.

Voltado às famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social, o Cartão Prato Cheio ganhou mais importância após a pandemia de covid-19 deixar sem desempregado de milhares de pessoas que ficaram sem trabalhar em razão das medidas de isolamento social, como o fechamento do comércio, das escolas, etc. Com isso, famílias carentes do DF passaram a contar o programa para conseguir até mesmo sobreviver. O dinheiro é usado exclusivamente na compra de gêneros alimentícios, como supermercados, armazéns e padarias.

“Mais que uma ação de governo, trata-se de um compromisso do GDF em garantir a segurança alimentar e nutricional daqueles que mais precisam desse auxílio por conta da pandemia do novo coronavírus. Trata-se de um programa de caráter emergencial, por isso não é considerado um auxílio de transferência de renda”, explica a titular da Sedes-DF, Nayara Noronha.

Nesta quinta-feira (4), famílias beneficiárias do programa já podem fazer as compras de seus alimentos

Mesmo não tendo essa finalidade, o Cartão Prato Cheio se mostrou como mais u recurso financeiro para grande parte população que se encontrou desprotegida financeiramente diante da pandemia. Com isso, o programa teve dois papeis importantes: um, de possibilitar renda aos mais necessitados; dois, movimentar o comércio local, que também foi fortemente atacado durante a pandemia.

“Trata-se também de uma forma de dar o poder de escolha às famílias para que elas escolham o que e onde comprar. Fomentando assim o comércio local do ramo alimentício nas cidades”, lembra Noronha.

O Cartão Prato Cheio é pago durante três meses consecutivos, e, para poder recebê-lo é preciso que o beneficiário tenha renda per capita igual ou inferior a meio salário mínimo; estar em situação de insegurança alimentar; residir no DF; e ter a inscrição no Cadastro Único ou no Sistema Integrado de Desenvolvimento Social da Sedes-DF.

Novos inscritos

De acordo com a Sedes-DF, aquelas pessoas que fizeram a solicitação do programa em uma unidade Cras ou Creas, no mês passado, já pode consultar no site www.rendaemergencial.com.br se seus nomes foram selecionados.

*Cláudio Ulhoa – Jornalista, membro da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno – ABBP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui