GDF cria canal exclusivo para denúncias relacionadas à vacinação contra a covid-19

Ouvidoria: irregularidade na vacinação pode ser denunciada

População pode denunciar irregularidades como descumprimento da ordem de vacinação, alojamento inadequado de materiais e vacinas, e outras; canal é o mesmo usado pela Ouvidoria, através do telefone 162

Por Cláudio Ulhoa

Por se tratar de um medicamento restrito, o Governo do Distrito Federal (GDF) abriu um canal de comunicação com a população que está sendo vacinada, mas que serve também à população em geral, para o registro de denúncias sobre casos de irregularidades na vacinação contra a covid-19. Agora, a Ouvidora, que já recebe denúncias sobre os serviços do Executivo, passa a ter um canal exclusivo – a Vacina covid-19 – para facilitar o atendimento do cidadão junto ao serviço.

Por meio do telefone gratuito 162, de segunda a sexta-feira, das 7h às 21h, e nos feriados e fins de semana, das 8h às 18h, é possível registrar as ocorrências, como descumprimento da ordem de vacinação, alojamento inadequado de materiais e vacinas ou qualquer tipo de irregularidade presenciada, ou de conhecimento do cidadão.

“É importante reunir o máximo de informações, como data, nomes de prováveis envolvidos, local, e, se possível, provas como fotos, vídeos ou mensagens”, informa a Controladoria-Geral do DF.

Cidadão pode realizar queixas pelo site ouv.df.gov.br ou pelo telefone 162

O telefone 162 é um meio pelo qual a população pode fazer outras denúncias, como reclamação, solicitação, informação, sugestão ou elogio relacionado a servidores e serviços públicos.

Caso, após a apuração da denúncia, fique comprovado que algum servidor ou gestor público cometeu, ou foi conivente com qualquer tipo de ilegalidade relacionada à vacinação contra a Covid-19, ele responderá administrativamente por seus atos.

Toda denúncia recebida é devidamente investigada. Comprovando-se a queixa as punições cabíveis são aplicadas. Em casos de denúncias de irregularidades contra servidores ou gestor público, sendo comprovadas, eles podem responder administrativamente.

No caso de irregularidades relacionadas à vacinação contra a Covid-19, o servidor público pode ser responsabilizado:

  1. a) descumprimento de dever funcional (art. 190, I);
  2. b) prática de ato incompatível com a moralidade administrativa (art. 191, IV);
  3. c) prática de ato de improbidade administrativa (art. 194, I, “b”).

*Cláudio Ulhoa – Jornalista, membro da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno – ABBP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui