‘Fizemos a tarefa de casa’, diz governador Caiado ao concluir venda da Celg T

Governo de Goiás arrecada R$ 1,977 bi com leilão da Celg T

Principal destino do recurso obtido com a venda da empresa será a liquidação do déficit da Previdência; governo diz ter atingido 80,10% acima do lance inicial do leilão

Por Cláudio Ulhoa

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), não escondeu sua felicidade ao participar do leilão de venda da Celg Transmissão S. A. (Celg T), nesta quinta-feira (14), em São Paulo. Leiloada por de R$ 1.977 bilhão, a empresa recebeu 80,10% acima do valor estabelecido no lance inicial. “Fizemos a tarefa de casa”, concluiu Caiado após bater o martelo confirmando a venda da empresa. “Hoje vendemos uma parcela, a Celg T, por valor superior. Isso mostra quando um Estado é bem administrado e quando se tem respeito para com bem público”, complementou.

Com venda da empresa, o governo pretende sanar o déficit que há na previdência social do estado. Segundo Caiado, geralmente, são funcionários públicos aposentados de baixa renda que esperam por uma resposta do poder público. O leilão, realizado na Brasil, Bolsa, Balcão (B3 S.A), foi arrematado pela Pequena Central Hidrelétrica, controladora da EDP.

Tudo será investido imediatamente no déficit que nós temos na previdência. Não podemos brincar com isso. Não existe mais tempo para se perder com discussões que não tragam resultado para a população”, garantiu Caiado.

Além desse recurso, o governador disse ainda que pretende enviar para Assembleia Legislativa do Estado uma proposta para a retirada da cobrança de 14,25%, referente à contribuição previdenciária de todos os aposentados do serviço público estadual que tenham rendimentos de até R$ 3 mil.

Lucro

Para o governo, a venda da Celg T se comparado com a venda, em 2016, pelo então governador Marconi Perillo (PSDB), da Celg D, – era detentora de uma receita anual de cerca de R$ 10 bilhões, enquanto a Celg T, R$ 280 milhões – teve um resultado positivo, cuja margem de lucro foi de R$ 877 milhões ante a venda da Celg D, leiloada por R$ 1,1 bilhão.

Celg-T foi recuperada e teve valorização no mercado, além de não deixar ônus para o Estado

“A diferença é grande, especialmente quando os rendimentos são comparados. A Celg D era detentora de uma receita anual de cerca de R$ 10 bilhões, enquanto a Celg T, R$ 280 milhões”, afirma o secretário-geral da Governadoria, Adriano da Rocha Lima. Para ele, o ágio de 80,10%, pago durante o leilão, é uma prova de que o mercado reconhece o quanto a gestão da Celg T, sob determinação do governador Caiado, foi mais produtiva. “Em pouco tempo vamos liderar esse país, não só na área de infraestrutura de energia, mas em todos os setores que vão permitir esse reconhecimento do grande Estado que temos”, acredita o secretário.

Agora, empresa vencedora assume as obrigações da companhia, como pagamento de salários e benefícios aos funcionários. A Celg T, segundo o governo, detém a concessão de mais de 755 quilômetros de extensão de linhas de transmissão, com contratos de concessão com prazo final entre 2043 e 2046 e 12 subestações próprias, com receita anual permitida (RAP) de R$ 216 milhões.

*Cláudio Ulhoa – Jornalista membro da Associação Brasileira de Portais de Notícias – ABBP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui