Estudo de privatização do Metrô-DF visa aumentar a capacidade de passageiros e diminuir tempo de espera, diz secretário de Mobilidade do DF

“A concessão do metrô trará modernidade e economia”, diz secretário de Mobilidade do DF, Valter Casimiro

A concessão do Metrô-DF para a iniciativa privada está caminhando no governo e deve sair até o início do próximo ano; o governo prevê que com a concessão o número de trens seja dobrado, com carros modernos e com ar condicionado

Por Ricardo Ulivestro

A Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF deve ser privatizada ainda na gestão do governador Ibaneis Rocha (MDB). Com a intenção de melhorar o serviço e aumentar a oferta de trens, o governo prevê que com a concessão do serviço à iniciativa privada, o número de trens seja dobrado, indo pra 40, carros modernos e com ar condicionado.

Em entrevista à Agência Brasília (que pode ser conferida na integra aqui), o secretário de Mobilidade do Distrito Federal, Valter Casimiro, disse que a privatização vai aumentar a capacidade de passageiros, diminuir o tempo entre um trem e ainda haverá um sistema de segurança eficiente.

De acordo com o secretário, o processo de elaboração do plano de venda do Metrô-DF está bastante avançado. O próximo passo a ser dado pelo governo será o encaminhamento de um estudo ao Tribunal de Contas do DF. Sendo aprovado pelo Tribunal, provavelmente, no início do ano que vem inicia-se a fase de licitação.

“Atualmente, o subsídio do metrô chega a R$ 300 milhões por ano. A proposta que entregou o melhor projeto é de que esse custo fique em, no máximo, R$ 170 milhões anuais”, diz Valter Casimiro.

Outra informação dada pelo secretário foi com relação a uma possível expansão da linha de metrô nas regiões administrativas de Samambaia e Ceilândia. Segundo Casimiro, o governo tem dois projetos que tratam do assunto e aguardam apenas o momento de serem licitados.

Já com relação à expansão da linha para a Asa Norte, o titular, a princípio, descarta tal possibilidade. “Existe um projeto para chegar até o HRAN [Hospital Regional da Asa Norte]. Os estudos de viabilidade que foram feitos para chegar até o fim da Asa Norte não mostraram sucesso. Mas isso não quer dizer que possamos fazer novas avalições e chegar em algum patamar”, explica.

Junto com o processo de privatização do Metrô-DF, o governo também estuda a forma de realizar parcerias público-privadas (PPPs) para os estacionamentos rotativos no Plano Piloto – projeto Zona Verde; a implantação da Avenida das Cidades; e a construção de uma nova ponte para o Lago Sul.

*Ricardo Ulivestro – Jornalista, membro da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno – ABBP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui