DF tem o terceiro menor índice de inflação do país, constata IBGE

As quedas dos preços foram desde alimentos a combustíveis; a baixa é reflexo da crise econômica gerada com a pandemia de covid-19

Por Redação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatísticas (IBGE) mostra que o Distrito Federal ficou está em terceiro lugar, entre os Estados brasileiros, no ranking das menores taxas de inflação. O registro foi de queda de -0,50%, com destaque para transporte (-7,35%), habitação (-0,39), vestuário (-1,00) e artigos de residência (-0,65).

O DF ficou atrás apenas de Goiânia (-0,89%) e Curitiba (-0,79%). A queda, em momentos de pandemia que gerou desemprego e baixa na renda do trabalhador, foi vista por especialistas como algo positivo. “Essa retração significa que os consumidores locais estão gastando menos para adquirir os produtos e serviços do que quantos gastaram no mesmo período de 2019”, disse a gerente de Contas e Estudos Setoriais da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), Jessika Milker Figueiredo.

Na prática, os alimentos, por exemplo, ficaram mais barato o que, até certo ponto, pode compensar o baixo poder comprar das famílias. Alguns gêneros alimentícios tiveram quedas bruscas, como foi o caso do No grupo de alimentos, o mamão apresentou queda de -15,52% e o pimentão -10,21%.

Por outro lado, o setor produtivo, que também tem sentido os efeitos da paralisação comercial em razão da pandemia de covid-19, deve também ter visto com bons olhos o preço do óleo diesel que teve variação negativa de -20,46% e do etanol -10,84% no ano.

O IPCA-15 avaliou preços no período de 15 de maio a 15 de junho de 2020 e comparados com aqueles vigentes de 15 de abril a 14 de maio de 2020.

Cartão Prato Cheio

A Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) do DF libera hoje, 25, a segunda parcela do benefício Cartão Prato Cheio. O programa é destinado a famílias de baixa renda durante o período da pandemia. Ele não impede que as pessoa também recebam auxilio do governo federal, como o auxílio emergencial de R$ 600.

O valor de R$ 250 será creditado nos cartões das 5.841 pessoas que receberam o benefício em maio

A Sedes informa que ao todo 5.841 pessoas vão receber a segunda parcela, cujo valor é de R$ 250.
“O Cartão Prato Cheio, que substitui a entrega das cestas básicas em domicílio, é um auxílio de segurança alimentar e nutricional, com transferência de crédito para aquisição de itens da cesta de alimentos e de pão e leite”, informa a Secretaria.

Para sacar o dinheiro, o beneficiário basta ir a um caixa eletrônico do Banco de Brasília (BrB) munido com cartão do programa.

Para mais informações clique aqui.

Fonte Blog do Ulhoa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui