Conjunto habitacional em Samambaia, construído com apoio do GDF, é entregue aos moradores

GDF investiu mais de R$ 13 milhões no Residencial Paulo Freire; ao término total da obra, cerca de 500 pessoas serão beneficiadas com novas moradias

Cada apartamento possui 57m², com dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço; o empreendimento tem parceria com o Sindicato dos Professores em Estabelecimentos Particulares do Distrito Federal

Por Cláudio Ulhoa

A pedido do Governo do Distrito Federal (GDF), a Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab), em sessão solene, nesta manhã, 14, entregou as chaves dos 92 apartamentos que estavam sendo construídos no conjunto residencial Paulo Freire, em Samambaia. O empreendimento, que começou no ano passado, foi concluído antes do previsto, o que facilita ainda mais a vida dos futuros moradores. Destinados a famílias que ganham entre R$ 2,6 mil e R$ 7 mil por mês, o residencial faz parte da política adotada pelo atual governo para reduzir o déficit habitacional e ampliar a oferta de moradia digna na capital. A meta do governo é atender cerca de 500 pessoas com apoio do programa Morar Bem, vinculado ao Minha Casa, Minha Vida, do governo federal.

Cada apartamento possui 57m², com dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. O empreendimento tem parceria com o Sindicato dos Professores em Estabelecimentos Particulares do Distrito Federal (Sinproep/DF). No mês passado, o governo já tinha inaugurado a primeira etapa do projeto, quando também foram entregues 92 unidades. O governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), que à época esteve presente na solenidade de entrega das chaves, ressaltou que a meta do sua gestão é entregar um total “de 40 mil moradias, que já foram contratadas”.

“É um sonho das famílias, mas para nós, governo, é uma meta.A gente só quer oferecer uma vida melhor para as pessoas porque assim todo o Distrito Federal fica melhor”, disse o governador na ocasião.

Na solenidade desta a manhã, Ibaneis foi representado pelo secretário de Governo, José Humberto Pires, que estava acompanhado por diversas autoridades e pelo administrador de Samambaia, Gustavo Aires.

Uma dessas autoridades presentes foi o presidente da Codhab, Wellington Luiz, que falou sobre o empreendimento e destacou o significado do projeto. “É uma moradia moderna. A entrega desses imóveis faz parte de medidas que permitem que as pessoas tenham um lar”, afirmou o dirigente.

Já para o administrador de Samambaia, a entrega de residencial demonstra o empenho que o GDF tem tido na região. Segundo Gustavo Aires, depois de muitas tentativas, a gestão de Ibaneis Rocha conseguiu “retirar o projeto do papel”.

Isso engrandece muito e nos empolga a trabalhar ainda mais.Aos novos moradores quero deixar o recado: o que eles precisarem de reivindicações nós estamos na administração regional de portas abertas para que a gente possa melhorar ainda mais a qualidade de vida de vocês”, garantiu o administrador.

O secretário de Governo, José Humberto, durante a entrega da chave aos futuros moradores do residencial Paulo Freire

Uma das futuras moradoras, em entrevista à imprensa local, a professora Christielen Mendonça, 35 anos, falou sobre o momento e ressaltou sua felicidade em receber as chaves de um imóvel que há anos ela e sua família aguardavam. “Eu aguardo por isso há sete anos. Tenho um filho e precisava dar o exemplo de luta para ele. O Sindicato dos Professores Particulares me proporcionou realizar esse sonho. Estou prestes a mudar para o meu apartamento. Muita gratidão em ter o meu apartamento”, disse.

A grande particularidade de quem compra um imóvel é fato de que a pessoa deixa de pagar aluguel e passa a pagar por um imóvel que passa a ser sua propriedade. O secretário de Governo, José Humberto, fez essa ressalva ao usar a palavra na solenidade desta manhã. “A partir de hoje se libertam do aluguel e começam a viver uma vida nova”, afirmou.

Ele também falou de outra particularidade do projeto habitacional, que é o fato dele ser destinado aos professores que, em sua grande maioria, são mulheres. “Aqueles que estão envolvidos neste empreendimento estão de parabéns. Pela qualidade, pelo tempo que fizeram, por isso, o governo se sente muito horado, porque tudo foi uma soma. O GDF ajudou com os projetos, cadastraram os professores, e a construtora executou”, explicou José Humberto.

*Cláudio Ulhoa – Jornalista, membro da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno – ABBP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui