Começam a cair casos de covid-19 por dia no DF, diz secretário da Casa Civil

O índice de transmissão do novo coronavírus está 0.91, o que é considerado positivo pelas autoridades de saúde

Ontem eram 1.814 casos confirmados, nesta segunda-feira (5), houve uma redução para 1.088; no momento, vacinação acontece em pessoas de 66 anos

Por Cláudio Ulhoa

O secretário da Casa Civil do Governo do Distrito Federal, Gustavo Rocha (MDB), disse, em entrevista coletiva, nesta segunda-feira (5/4), que os casos de covid-19 têm caído na capital federal. Segundo o secretário, essa redução ocorre pelo fato de que o nível de transmissão do novo coronavírus tem sido mantido abaixo de 1 – hoje está em 0.91. Se no domingo (4) havia 1.814 contaminados, esse número caiu para 1.088 nesta segunda.

Nós estamos conseguindo manter esse índice abaixo de 1 já há algum tempo e isso é muito importante porque vai ter um reflexo futuro muito relevante”, ressaltou Rocha.

O total de casos, no momento, no DF é de 349.775, sendo que desses, 329.673, já estão recuperados da doença.

Outra redução é com relação ao número de casos ativos, segundo Rocha, houve uma redução de casos do início desta segunda onda para cá, que foi de 16 mil casos para os atuais 13 mil.

Sobre o abastecimento de insumos para o tratamento de pacientes com covid-19, como é caso de oxigênio e kit de intubação, o secretário reafirmou que os estoques continuam abastecidos.

“Nós temos uma quantidade, tanto de oxigênio líquido quanto do oxigênio envasado, suficiente para as necessidades atuais do DF. Da mesma forma como também temos os kits para intubação”, afirmou o secretário.

De acordo com o secretário da Casa Civil do GDF, Gustavo Rocha, o número de casos por dia tem caído

O secretario ainda falou sobre a recontratação de 1.658 profissionais da saúde aposentados que vão fortalecer a rede pública de saúde durante este período da pandemia. Desse total, 904são enfermeiros e 643 técnicos de enfermagem. “Isso é importante para trazer um atendimento melhor para a população é ao mesmo tempo, aliviar um pouco a carga daqueles que estão já há um ano nessa sobre carga de trabalho”, destacou.

Por fim, Rocha lembrou que a vacinação do público com 65 anos, conforme tinha sido anunciada na semana passada, não foi possível de ocorrer porque o Ministério da Saúde ordenou que as 116 mil doses repassadas na quinta-feira passada deveriam ser usadas para imunizar as pessoas que já tinham tomada a primeira dose de vacina.

“Isso impactou no cronograma de vacinação, pois não existia essa previsão de que todos iriam para o d2 (segunda dose) por isso, foi necessário fazer um reajuste, um rearranjo, com relação a diminuição da idade e chegou-se ao 66 anos”, lembrou o secretário.

Também participara da coletiva o secretário de Saúde, Osneio Okumoto, e o secretário de Comunicação Social, Weligton Moraes.

*Cláudio Ulhoa – Jornalista, membro da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno – ABBP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui