Após batalha contra Covid-19, militar do Corpo de Bombeiros recebe alta do Hospital de Campanha de Goiânia

Major do Corpo de Bombeiros, Ademar Ramalho da Silva Filho, recebeu alta do Hospital de Campanha de Goiânia e foi recepcionado por familiares, amigos e colegas da corporação: “A coisa não é brincadeira, temos que levar a sério”. Fotos: André Saddi

Ademar Ramalho ficou internado 20 dias, nove em UTI, e teve pelo menos 75% dos pulmões comprometidos. Esposa do oficial, que também se infectou com o vírus, morreu em decorrência da doença. Ele se disse “impressionado” com o trabalho da equipe do HCamp e alerta: “Vamos levar a sério e enfrentar esse inimigo, ele é perigoso, mas possível de ser vencido”

Um sábado de muita emoção. Balões e uma salva de palmas marcaram a saída do major do Corpo de Bombeiros, Ademar Ramalho da Silva Filho, de 43 anos, que recebeu alta do Hospital de Campanha de Goiânia (HCamp), após cerca de 20 dias em tratamento contra a Covid-19.

Um corredor de homens da corporação, amigos e familiares saudaram o militar, que logo depois pôde dar um abraço na filha Gabriela Albernaz da Silva, de 19 anos. Um momento que marcou a superação de dias agoniantes de espera, preocupação e muito medo. Em seguida, o major foi recepcionado por vizinhos na porta do prédio onde reside, no Setor Nova Suíça, ao som de sirenes do Corpo de Bombeiros, em outro momento de grande comoção.

Durante o período de internação, Ademar passou nove dias em um leito da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), intubado, com 75% dos pulmões comprometidos pela Covid-19. “A coisa não é brincadeira, temos que levar a sério”, alertou o militar. Ele considera que praticamente morreu nos dias em que passou na UTI, e, por isso, reforça que a doença é perigosa e que é preciso se precaver ao máximo.

“Nós vamos superá-la, mas se a gente brincar, podemos não conseguir. Então, vamos levar a sério e enfrentar esse inimigo. Ele é perigoso, mas possível de ser vencido”, acrescentou. Ademar fez questão de ressaltar o tratamento e cuidado que recebeu no HCamp. Ele disse que ficou impressionado com o trabalho de toda equipe da unidade, “incansáveis em uma luta há tanto tempo contra uma doença desleal”, pontuou.

A filha do militar, Gabriela Albernaz, afirmou que a família pegou o vírus ao mesmo tempo: ela, o irmão, a mãe e o pai. Infelizmente, Priscila Viana Albernaz faleceu em 09 de março por complicações da doença. “Ela (mãe) foi para a UTI, recebeu alta porque estava melhor, mas precisou voltar, ser intubada e não conseguiu melhorar após três paradas respiratórias”, relatou.

Apesar do luto pela mãe, Gabriela encontrou forças para recepcionar o pai da melhor forma possível. “Ele receber alta é muito importante pra gente. Isso foi um milagre, os médicos ficaram surpresos porque não imaginavam essa recuperação. Estamos muito felizes e não consigo explicar meu sentimento de gratidão, de felicidade dele voltar pra gente”, comemorou.

Secretaria de Comunicação – Governo de Goiás

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui