Início Brasília Cármen Lúcia volta a dizer que desobedecer à Justiça é inaceitável

Cármen Lúcia volta a dizer que desobedecer à Justiça é inaceitável

404
0

O discurso da presidente do STF se assemelhou ao que ela fez em fevereiro, na abertura do ano judiciário

A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, abriu a primeira sessão da corte neste semestre afirmando, mais uma vez, que é inaceitável qualquer forma de descumprimento das decisões judiciais.

“Gostaria de afirmar que, neste tempo de grandes preocupações para nós, brasileiros, de grandes dificuldades, mas também de possibilidades, eu desejo que nós todos, como cidadãos, como juízes, sejamos cada vez mais como temos sido e nos encaminhado, responsáveis nas nossas competências com o Brasil, prudentes nas nossas decisões e, principalmente, comprometidos entre nós com um país no qual o estado de direito prevaleça, uma vez que é absolutamente inaceitável qualquer forma de descumprimento ou de desavença com o que a Justiça venha a determinar”, disse a ministra na manhã desta quarta (1º).

“Esperamos que o estado de direito, neste semestre no qual se completam 30 anos de vigência da Constituição, que cada vez mais a democracia prevaleça no Brasil e seja construída com força por todos nós, com responsabilidade de todos os brasileiros, e muito mais nós, servidores públicos”, completou.

O Supremo volta nesta quarta do recesso de julho. A pauta do plenário prevista por Cármen Lúcia para o mês de agosto prioriza processos de caráter técnico, que evitam confrontar o meio político. Nesta manhã, por exemplo, são julgadas ações sobre direito do trabalho.

O discurso da presidente do STF se assemelhou ao que ela fez em fevereiro, na abertura do ano judiciário.

“Pode-se ser favorável ou desfavorável à decisão judicial pela qual se aplica o direito. Pode-se buscar reformá-la, pelos meios legais e nos juízos competentes. O que é inadmissível e inaceitável é desacatar a Justiça, agravá-la ou agredi-la. Justiça individual, fora do direito, não é justiça, senão vingança ou ato de força pessoal”, disse Cármen na ocasião.

A ministra deixará a presidência da corte em setembro. No lugar dela assumirá o ministro Dias Toffoli. A expectativa é que Cármen Lúcia assuma a cadeira de Toffoli na Segunda Turma, responsável pelos processos da Lava Jato.

Nesta terça-feira (31), a área externa do Supremo foi palco de uma confusão entre seguranças do tribunal e seis manifestantes que iniciaram uma greve de fome em defesa do ex-presidente Lula, que está preso em Curitiba.

Na semana passada, simpatizantes do petista jogaram tinta vermelha no chão de uma das entradas do STF, enquanto gritavam “Lula livre”. Com informações da Folhapress.

Fonte:  Notícias ao Minuto